quarta-feira, 19 de agosto de 2015

O homem e o amor

Quando foi que
O homem percebeu o amor?
Foi sentado, indo embora, a dormir?
Foi distraído, foi bonito, foi algo?
Como foi?
Muito me pergunto
se foi olhando a janela, se foi a passear.
O amor explodiu no peito? 
O peito doeu?
Foi de dia? Foi no verão?
De madrugada, talvez, com um pincel e uma tela.
Ou ao som de um instrumento,
talvez só o coração, a pulsação e o vento.
Quando foi que o homem pensou:
"é isso."?
Esse homem - ou talvez mulher - 
chegou a duvidar que era isso?
E se foi uma criança? Como é que ela percebeu?
Ela estava brincando, correndo, parada?
Ela estava com o pai, um amigo, um irmão?
Quando foi, meu deus, que isso aconteceu?
Muito mais me pergunto:
quando foi que o amor percebeu o homem?
Ele já percebeu?

domingo, 16 de agosto de 2015

Briga

Hoje quando você não veio dormir
meu peito estufou cheio de suspiros.
Esperei ouvir, nos seus barulhos,
o som de você subindo as escadas.
Esperei, esperei, esperei.
Só ouvi um cuspe na pia,
como se cuspisse algo de dentro,
algo contra mim,
algo que talvez fosse eu inteira.
E depois você fechou a porta.
E depois, eu fechei a porta,
fechei os meus olhos, fechei o meu peito,
fechei-me inteira.

Não

Não vomite. Não é seguro vomitar. Não se estresse, não se desencante, não fuja, não se sinta perdido, não não não. Não seja assim tão cruel com seu corpo, não emagreça, não se deixe engordar, não coma isso. Não tome tantos remédios, não acredite em mentiras. Acredite em Deus, reze, tenha fé. Não não não, não perceba que quase tudo é mentira e nada vale mesmo a pena. Não se sacrifique, não perca tempo. O tempo é escasso, é rápido, é quase nada. Não fique sozinho. Fique com Deus. Deus te acompanhe, Deus te ouça. Não tenha medo, não seja destemido demais. Peça perdão, dê o outro lado a tapa, ajoelhe diante de uma cruz. Não sofra, não chore, não se sinta abandonado, não queira ir embora daqui. Não grite com os outros, não desrespeite os outros. Quem são os outros? Talvez os outros sejam Deus. Não pergunte.

Cadáver

Hoje eu sou apenas um cadáver com órgãos funcionando bem. Quero encostar num banco de praça e me deixar morrer. Só que até isso exige um...