quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

Astronauta

Me sinto um astronauta no meu corpo. Não conheço direito nem o meu nariz, principalmente o meu nariz. As minhas mãos eu até conheço porque rôo todas as minhas unhas. Os olhos, conheço só de vista. Minhas pernas às vezes surgem enquanto corro, mas só assim que eu as vejo. É uma pena que eu me conheça tão pouco depois de tanto tempo. Mal sei do que eu gosto, só sei do que eu corro. E eu corro de mim mesma. 

Nenhum comentário:

Censura

Se escrevo essa poesia agora é porque ainda ninguém me parou ela só está neste pedaço de papel porque ninguém o encontrou e picotou. Se...