quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

que ele me roubou

O que fazer com esse coração estancado
dele nada mais sai e não adianta forçar
nada mais entra tampouco
vida nenhuma, nem um comando
ele cumpre a função calado
frouxo, resignado
esse coração fajuto de nada mais serve
manda trocar porque esse eu não quero
peçam a troca imediata
troquem por outro órgão
pode ser musical, desses de igreja barroca
não, não, troquem por um pianinho
bem simples, não precisa de muitas notas
troco por qualquer coisa na verdade
ou não, joga fora logo
quem há de querer esse miolo de pão amanhecido
ele já foi bom um dia, acredite
ele já me convenceu que era um coração
eu acreditei, até fiz ele funcionar
acho que ele não gostou da ideia
joga num lixo que não recicle
se reciclar ele pode virar um imã de geladeira
ou um ratinho de dar corda
eu prefiro ver meu coração despedaçado, enterrado
eu prefiro que ele exploda, que ele se afogue
uma morte morrida ao coração
uma morte doída, que faça sair sangue
nem que seja um sangue preto, seco
nem que seja o sangue que ele me roubou a vida toda.

Um comentário:

Anônimo disse...

me ame coração!

Censura

Se escrevo essa poesia agora é porque ainda ninguém me parou ela só está neste pedaço de papel porque ninguém o encontrou e picotou. Se...