sexta-feira, 4 de abril de 2008

Cem anos de escuridão

Morre-se aos poucos.
Primeiro as luzes se apagam.
Depois o que apaga é a lua.
O sol resiste muito,
Mas apaga também.
Na escuro nada se enxerga.
Se não houver a luz própria,
A escuridão do mundo invade
E mata.

Nenhum comentário:

poetinha

poetinha desligado  lê poesia pra mim tira soneca na rede anda descalço o que vai ter pra comer no café da manhã essa sereia ta...