segunda-feira, 20 de agosto de 2012

Não ocupo

Sempre tentei fugir ou pelo menos me esconder da minha enorme insignificância. Mesmo dentro do meu quarto, ela - a insignificância - grita. É ensurdecedor. Tanta gente convive numa boa com ela. Eu não. Mas até que deu pra desviar. Semanas, meses. O problema é que existem dias em que ela resolve aparecer e esfregar na minha cara o tamanho do espaço que eu não ocupo. Dói ser quase de ar (e somos todos).

Um comentário:

Anônimo disse...

Dentro de mim, você ocupa TODO o espaço.

A sua falta

A falta que me faz  a sua falta é leve não chega a doer mas deixa um vazio uma fisgada um sussurro  eu aqui sentindo falta ...