domingo, 13 de fevereiro de 2011

Sobre o alívio (e o livro)

Pensar em você me traz um certo alívio. Mesmo que a gente nunca mais tenha se visto, mesmo que faça tanto tempo, mesmo que mesmo. Eu gosto de pensar que eu já fui sua inspiração para qualquer coisa que você nunca fez. Aquele livro que você me deu, não entendi nada. Você me deu esperando que pudéssemos discutir alguma coisa, mas eu não pude. Ele não me convenceu. Eu esqueci de te falar isso. E sobre o alívio, eu não sei explicar. Você rompeu alguma coisa na minha cabeça e eu acho que eu não vou esquecer nem em um milhão de anos. Não é como levar um vestido para o tintureiro. Não existe tintureiro para esse tipo de mancha.

Um comentário:

Juliana disse...

"E sobre o alívio, eu não sei explicar."

as palavras que traduzem o meu momento.

Censura

Se escrevo essa poesia agora é porque ainda ninguém me parou ela só está neste pedaço de papel porque ninguém o encontrou e picotou. Se...