domingo, 30 de maio de 2010

A água que sou


Se eu estiver contaminada, me perdoe.
Só quero que você me tome, gole por gole.
Estou metade cheia, metade vazia, neste copo em cima da mesa.
Eu quero ser parte do seu organismo, enquanto eu não evaporo.
Por favor, tome esse meu gole, experimente o meu gosto.
Se eu estiver contaminada, peço perdão.
Eu só espero que você não beba a metade vazia do copo.

2 comentários:

Inara Vechina disse...

mesmo se ele beber a metade vazia, ele já estará contaminado da sua essência. se beber o vazio irá buscar o seu preenchimento,irá transbordar, e transbordar junto é perder qualquer conceito.

Anônimo disse...

clarinha atualize aqui...Eu me reconheço tanto em suas palavras!
Grande beijo..

Censura

Se escrevo essa poesia agora é porque ainda ninguém me parou ela só está neste pedaço de papel porque ninguém o encontrou e picotou. Se...