domingo, 25 de abril de 2010

Ressaca

Como suportar o dia seguinte da vida? O que significa esse aperto, é um aperto? A vida passando por entre os dedos, como se não fosse nada demais... Esses furacões diários, como é que a gente sobrevive? Como é que se chama essa ressaca de viver? Essa ressaca de dor de saudade, o que é que eu faço com isso? Eu não sei esperar o dia seguinte de hoje. Eu não sei sobreviver a perspectiva do fim do dia, e quando o dia seguinte chega, eu não sei o que fazer com ele. É assim mesmo que se vive, sem nem saber como sobreviver?

2 comentários:

Felipe Sanches disse...

interessante essa sua reflexão. logo fiz uma ligação com um poema que fiz há muito tempo, que tem tema muito semelhante. e, o mais incrível, o nome "casou". afinal, para ressaca, nada melhor do que:

Água.
(Felipe Sanches)

Só vejo água em meu horizonte.

Horrorizante cortina d' água
que banha minha mágoa
diante de decepções banais.

Personagens casuais de momentos
pequenos em tamanho, mas
grandes em intesidade.

Nesta cidade onde tudo
que vem é água na face,
tapa na cara.

Uma personagem por dia.

Anônimo disse...

Cara chato, esse FELIPE SANCHES.
Você escreve coisas lindas e ele coloca esses vomitos a cada comentário!
Que fazer com um cara desses?
Você é uma santa de aguentar...

Viela, montanha, isolamento

Por que desviei? Por que não observei, por que não ouvi o seu chamado? Em que viela, montanha, isolamento eu estava? Quando você apar...