sábado, 23 de janeiro de 2010

se ela tapasse os ouvidos podia ouvir suas veias pulsando

De repente a chuva ficou tão estranha, tão distante, tão sem sentido. Ou era a vida? De repente ela quis ser uma bailarina, para dançar na chuva. Estava tudo em silêncio, se ela tapasse os ouvidos podia ouvir suas veias pulsando. Engraçado as pessoas passarem e esquecerem de devolver os nossos pertences, ela pensava. Haviam esquecido de devolver as suas coisas, talvez de propósito, e ela estava um pouco perdida. Não sentia mais tanta dor, porque tinha os pés calejados. Os pés, as mãos, os braços, os olhos e os lábios. O coração não sabia calejar, e sangrava como sempre. É bom que sangre mesmo, é bom que seja assim. Mesmo não sendo bailarina, ela só queria dançar na chuva. E se dançasse, e se pegasse na mão de alguém, e caísse no chão ou qualquer outra coisa, o coração continuaria sangrando. A gente se assusta com o sangue, porque ele precisa ficar por dentro da pele. Ruim mesmo é se faz um corte e ele sai. Mas isso ainda não havia acontecido. Por isso ela continuava, mesmo perdida. E mesmo sem achar nenhum sentido, ela foi dançar na chuva.

Um comentário:

Paulo Gomes disse...

Com o perdão da palavra mas, cacete... muito, muito profunda...

"porque ele precisa ficar por dentro da pele."

Censura

Se escrevo essa poesia agora é porque ainda ninguém me parou ela só está neste pedaço de papel porque ninguém o encontrou e picotou. Se...