sexta-feira, 14 de agosto de 2009

Meu coração, não sei por quê...

Me pareceu de repente, que parou de bater...

Um comentário:

diogo disse...

...mas o sangue é tão insistente
continua circulando
e nos mantém acordados

Censura

Se escrevo essa poesia agora é porque ainda ninguém me parou ela só está neste pedaço de papel porque ninguém o encontrou e picotou. Se...