segunda-feira, 10 de agosto de 2009

Bailarina que atravessa a rua

Eu gosto de deixar uma luzinha bem fraca enquanto eu escrevo. Quase no escuro eu fico. Porque eu gosto de pouca coisa me denunciando. Não gosto de holofotes enquanto eu escrevo, não gosto que se torne uma coisa pública. Eu gosto de fingir que escrevo por acaso. Assim como quando uma bailarina atravessa a rua, meio que sem perceber, ela atravessa dançando.

2 comentários:

Letícia Santos disse...

tudo aqui é tão delicado e talentoso.

Também gosto da luz fraquinha, mas no meu caso, é porque eu acho que no "meu escuro", eu enxergo melhor o que tem aqui dentro.

E é assim, até quando choro

Beijos!

Cris* disse...

que lindo esse post! amei amei!

Censura

Se escrevo essa poesia agora é porque ainda ninguém me parou ela só está neste pedaço de papel porque ninguém o encontrou e picotou. Se...