domingo, 11 de janeiro de 2009

Enquanto espero que você venha [ou que a vida passe]

Penteio o meu cabelo. Escuto música. Enjoo da música. Passeio pelas novas fotos. Decoro os novos rostos. Escuto os pernilongos passearem pelo meu quarto. Olho o relógio (de novo). Apaixono. Desapaixono. Leio algumas páginas do meu novo livro. Fico sem entender as notícias que não acompanho. Sinto a terra girando. Pergunto a Deus se ele existe mesmo. Ele me ignora. Pergunto ao meu pai se ele está em casa. Ele grita lá do quarto que sim. (E nele eu posso acreditar). Resolvo mudar de nome. Alice. Penso na morte. (A vida é muito tola por aqui). Escrevo livros na minha cabeça. Apago algumas frases. Meu coração dispára. Não, não era o seu perfume. Meu coração demora, mas volta ao ritmo normal. Vou a procura de um motivo. Não encontro. Volto a me chamar Clara. Fecho os olhos e durmo. Amanhã é um outro dia, e a vida passou mais um pouquinho.
¨

5 comentários:

Vâmvú disse...

Nossa.. nem sei o que comentar, Clara. Muito bom, como sempre. Profundo demais.
Bjs

Eu e a solidão disse...

Com certeza as vezes gostaríamos de ser por algum tempo outra pessoa, mas isso pelo menos pra mim não dura muito, preciso voltar a realidade pra começar a sonhar sobre o amanhã... Belíssimas palavras...


Beijos!!!

Rodrigo Guerreiro disse...

Clara, como sempre linda em suas palavras!

Beijão!!!

Dri Sandoval disse...

Amoreee,

É incrível entrar aqui e ler exatamente o que acontece comigo. Belíssimo texto! Como sempre!

Mil beijos e muitas saudades!

Aninha disse...

O CARINHO Q TENHO POR VC É ENORME.

Viela, montanha, isolamento

Por que desviei? Por que não observei, por que não ouvi o seu chamado? Em que viela, montanha, isolamento eu estava? Quando você apar...