domingo, 9 de fevereiro de 2014

Brilho eterno de uma mente sem lembranças

Eu acho que esse filme é sobre como não importa quantas vezes a gente esqueça, quantas vidas a gente viva, o quanto a gente apague o que viveu. Não importa quantas vezes. Vai vir um erro, um arrependimento, uma vontade de fugir - ou de apagar absolutamente tudo. Sempre vai vir, apagar não podemos, mas mesmo se pudéssemos, nada ia adiantar. Nada, meu amor, nada.

Nenhum comentário:

Viela, montanha, isolamento

Por que desviei? Por que não observei, por que não ouvi o seu chamado? Em que viela, montanha, isolamento eu estava? Quando você apar...