quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

Só aquela

Eu nunca guardei o nome dele
e acho que ele nunca guardou o meu rosto
mas ele deve lembrar da minha voz
eu gritava, eu ria, eu falava bem alto
misturando as palavras e as linguas
a dele e a minha
Ele respondia falando baixinho
que tava todo mundo olhando
Quem se importa, eu gritava
QUEM SE IMPORTA
A gente dançou a noite toda
ele suava e os meus pés urravam de dor
mas a gente não parou de pular
pensando que dançava.
Eu não sabia, mas ele não tinha mais ninguém
eu nem imaginava, mas era só aquela noite
e mais nunca mais.

Nenhum comentário:

Disfunção

Esses dias eu descobri que tenho uma disfunção no cérebro. Fui diagnosticada por um médico. É mais ou menos assim: enquanto as coisas aconte...