segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

Triste assim

A minha tristeza é suave, quase doce. Eu sorrio tão levemente, parece verdade. Eu entro e saio sem ninguém saber que sou triste. Ninguém. Eu passo entre as pernas, entre as mesas e entre os pensamentos de alguém tão rápido que é como se eu nunca tivesse passado. Eu não tenho passado muito. Também não tenho muito passado. O presente quando demais quase esconde o passado. Mas também, quem mandou estar aqui. Quem mandou passar por aqui a essa hora. Não adianta reclamar, chorar para os santos, não há nada que te faça outra. Essa aqui é você, triste assim.

2 comentários:

Anônimo disse...

Como você escreve lindo!

Anônimo disse...

Como você escreve lindo!

Censura

Se escrevo essa poesia agora é porque ainda ninguém me parou ela só está neste pedaço de papel porque ninguém o encontrou e picotou. Se...