domingo, 22 de julho de 2012

entre-aberta


Fechei tudo:
-- portas, malas, olhos
aos poucos, silenciosamente.
As coisas assim, fechadas,
parece que ficam mais bonitas.
Mas o tempo não passa.
Resolvi, então, abrir tudo de novo:
-- os olhos, a janela, o peito.
O ruído foi alto,
quase me ensurdeceu.
As coisas assim, abertas,
são um perigo
(de pegar resfriado,
de entrar água, de acabar de vez).
Que jeito, meu Deus?
Não há meio-termo.

Censura

Se escrevo essa poesia agora é porque ainda ninguém me parou ela só está neste pedaço de papel porque ninguém o encontrou e picotou. Se...