sábado, 16 de junho de 2012

2:30 am

Você ficou na porta, fazendo cara de quem estava triste. Mas acho que você só estava com sono. Eu fui embora. Aquela típica cena de adeus - o homem na porta, olhando o carro se afastar. Eu, no carro, via o homem na porta se afastar. O homem na porta, a casa, aquela fase, aquele amor, tudo se afastando. Eu fui embora, às duas e meia da manhã. Eu tinha chegado para ficar, mas fui embora. Às duas e meia da manhã, para sempre.

Nenhum comentário:

Censura

Se escrevo essa poesia agora é porque ainda ninguém me parou ela só está neste pedaço de papel porque ninguém o encontrou e picotou. Se...