domingo, 8 de maio de 2011

Desvestir-me

Tem também dias em que eu acordo pensando que sou uma pessoa dentro de um corpo, e eu não consigo achar o zíper, e eu não consigo entender onde é o cadarço, onde eu me desamarro, onde é que eu posso sair.

2 comentários:

Anônimo disse...

Por favor não saia.

Anônimo disse...

Nossa, acabei de descobrir seu blog.

Você escreve MUITO BEM, estou encantada, vou ler tudo.

abração

Luciana- RS

Censura

Se escrevo essa poesia agora é porque ainda ninguém me parou ela só está neste pedaço de papel porque ninguém o encontrou e picotou. Se...