domingo, 2 de janeiro de 2011

Mãe cujos filhos são peixes

Iemanjá, eu não pude jogar uma flor no seu mar, você me desculpa? Eu pulei as sete ondas, mas foi uma correria danada e eu não consegui levar uma florzinha para você. Eu sei que eu tenho muito a agradecer, muito mais do que pedir. E este ano eu só peço um pouquinho mais de mar. O resto, que continue assim mesmo.

2 comentários:

José María Souza Costa disse...

Eu também sou Peixes....rsrsrs...
Passei aqui lendo. Vim lhe desejar um Tempo Agradável, Harmonioso e com Sabedoria. Nenhuma pessoa indicou-me ou chamou-me aqui. Gostei do que vi e li. Por isso, estou lhe convidando a visitar o meu blog. Muito Simplório por sinal. Mas, dinâmico e autêntico. E se possivel, seguirmos juntos por eles. Estarei lá, muito grato esperando por você. Se tiveres tuiter, e desejar, é só deixar que agente segue.
Um abraço e fique com DEUS.

http://josemariacostaescreveu.blogspot.com

Anônimo disse...

Você foi a flor que entrou no mar...
No meu mar também...

Censura

Se escrevo essa poesia agora é porque ainda ninguém me parou ela só está neste pedaço de papel porque ninguém o encontrou e picotou. Se...