domingo, 4 de julho de 2010

Já não sinto medo de (quase) nada

Eu nunca tive nenhuma coragem como estou tendo agora, deitada aqui no seu ombro.

Nenhum comentário:

Viela, montanha, isolamento

Por que desviei? Por que não observei, por que não ouvi o seu chamado? Em que viela, montanha, isolamento eu estava? Quando você apar...