segunda-feira, 22 de março de 2010

Todo tempo do mundo

Av. Paulista às 16h23 de uma segunda-feira quase sem tempo


3 comentários:

Felipe Sanches disse...

O tempo é o ponto.
(Felipe Sanches)

Não me conformo com o tempo.

Se tento, não consigo
esconder o azedo gosto
do desespero com o lento
caminhar das horas.

Ora, de que mais serve
o tempo senão para
costurar o amargo
caminho do envelhecer?

Ser velho é ser tempo.

A velhice é prova
empírica do tempo.
É a materialização
da nostalgia.

O dia-a-dia do tempo
é um interminável
mosaico de recortes
de lembranças pontuais.

Eis o ponto.

Thais motta ~ disse...

Fantástica pergunta.

Nayara disse...

Parabéns pelo texto: tocante!

Bjo

Censura

Se escrevo essa poesia agora é porque ainda ninguém me parou ela só está neste pedaço de papel porque ninguém o encontrou e picotou. Se...