terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

Eu acabo sempre

Eu não sei fazer poesia
escrevo sempre do mesmo
Eu não sei pra onde vou
e acabo sempre aqui
Qual a graça de ser eu
se não há outra opção?
Sou sempre eu
com outra cor de cabelo.
Às vezes falta alguém
algures
pra me dizer qualquer coisa.
Eu não sei fazer poesia
e escrevo mesmo assim
eu não sei recomeçar
e acabo sempre no fim.

2 comentários:

Priscila Rôde disse...

Você me descreveu! :O

Anônimo disse...

Aff, até dói de tão boa. Uma das melhores! Congrats!

Insônia em quatro tempos

I mesmo quando a sua boca tem gosto de cigarro eu gosto do seu gosto às quatro da manhã II é tanto amaciante que as flores do campo ...