segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

O amor tem cheiro de pólvora


E exala no nariz de quem insiste, fere o pulmão de quem inala, dói a quem respira, destrói o coração de quem se cala, pensando ser imune. O amor tem cheiro de pólvora sim, mas o cheiro engana, as balas são de festim.

5 comentários:

Anônimo disse...

memorial rolled implemented istanbul increments speakers ritual orthogonal selves plausibility themes
semelokertes marchimundui

Thais Motta disse...

Maria Clara Moraes !
conheci teu blog sexta feira passada . Só estou comentando hoje porqe li todos os seus textos e achei simplismente PERFEITO demais tudo que você expressa aqui .

Voltarei mais vezes , COM CERTEZA!
eu tb tenho um blog , mas não estou usando mais , de qualquer forma .. ficarei muito feliz se vc quiser dar uma passada lá .

Favoritei tua página aqi , pra voltar toda vez que as minhas palavras faltarem . Porque as suas completam a lacuna do que falta por aqui.

Um beijo e Parabéns !

William Maia disse...

Nossa. Nesse você se superou.

Adriana Morel disse...

Sempre venho aqui ler seus posts. Mas esse ultimo é realmente muito bonito, me emocionou mais do que qualquer outra coisa que já tenha lido aqui. Vc é sempre tão cheia de delicadeza pra escrever até mesmo as palavras mais tristes. Parabéns por esse seu dom.

Anônimo disse...

Nessa, você se superou!
Amei você mais ainda por esse poema...

Censura

Se escrevo essa poesia agora é porque ainda ninguém me parou ela só está neste pedaço de papel porque ninguém o encontrou e picotou. Se...