domingo, 7 de setembro de 2008

Medo

Eu não tenho medo da morte porque eu quero que ela se dane. Não tenho medo da morte porque ela vai me matar de qualquer jeito, nem adianta tentar qualquer coisa. O meu pai mesmo sempre fala com aquele jeito de sabe-tudo: "A única certeza que se pode ter é a morte." Como eu poderia ter medo da minha única certeza? Mas sabe, hoje eu acordei com um pouco de medo dela. Não que eu ache que eu vá morrer daqui a pouco, mas eu fiquei com medo de ela chegar atrasada. Eu não suporto esperar. Imagine se eu fico sozinha esperando, e ela não vem? Porque da solidão sim, dessa eu morro de medo.

6 comentários:

thelma disse...

Pois então você não deve ter medo de nada. Solidão com uma mãe carrapato como eu, não dá para ter.
Beijão, mamãe.

thelma disse...

Embora triste, muito lindo...
Beijão
Eu de novo.

Joaquim Prado, o pai disse...

Minha doce Clarinha,
Não precisa ter medo da morte, porque ela não é necessariamente inimiga (isso dito com meu jeito de sabe-tudo). Ela não costuma chegar nem um segundo antes da hora. (Imagino, já que não tenho experiência pessoal). Quanto à solidão,você e eu temos o mesmo medo. Confesso que já tenho alguma experiência sobre isso(sem jeito de sabe-tudo): de todas as tristezas, é a da solidão a que me mete mais medo. Descobri, entretanto, que só há uma saída: amar, amar, amar e se sentir amado, amado, amado. Você, por exemplo, é amada,amada, amada por mim (e por outras pessoas da sua casa...)sem restrições (embora nem sempre você possa perceber os sinais disso). Por isso, se depender de mim você nunca saberá o que é a solidão. Nunca, nunca, nunca.

bianca disse...

depois do comentário do papys, acho o o meu é dispensável.
ps: seu pai é um fofo

Marina disse...

Você nunca ficará só, meu biscoitinho de chucrute.

Anônimo disse...

viva a vida e não espere nada, nem a morte.

Disfunção

Esses dias eu descobri que tenho uma disfunção no cérebro. Fui diagnosticada por um médico. É mais ou menos assim: enquanto as coisas aconte...